Lista de afazeres para um ano novo

Por: Gisele Neuls

dez 23 2012

Tags:,

Categoria: Billy Hare

Deixe um comentário

Preciso descobrir onde se compram estrelas
para iluminar essa escuridão errante.
As minhas foram para galáxias insondáveis
e não parece possível que voltem.

Preciso descobrir onde se encontram novo riso
e alegria, porque minha existência solitária
não sabe mais onde perdeu os que eu tinha

Isso para não falar do calor do abraço e
do conforto do afago, que também não há
mais por aqui. Será que ainda se fabricam
em algum lugar?

Preciso também de mapas. Mapas serão
fundamentais nesse novo ano! Preciso de mapas
que me levem a alguns lugares que antevi
em noites de paixão febril.

Mapas que indiquem o caminho para os
paraísos coloridos há tanto tempo experimentados,
já pálidos no espelho da memória.

Não que eu queira paradeiros definitivos,
mas seria algo mágico encontrar uma acolhida
demorada para amainar essa tristeza delirante.

A escolha da imagem

Billy Hare, La Huega, Ica 1984, MALI, Museo de Arte de Lima

Essa paisagem solitária demonstra o sentimento transmitido pela poesia, de alguém perdido e que quer sair dessa aridez de sentimentos do caminho onde se encontra, que quer encontrar o oásis dos abraços, das acolhidas, traduzido por “paraísos coloridos”. Esse deserto em preto e branco é frio, sem estrelas, sem alegria.

A escolha da imagem se dá mais pela emoção e aí quando vou investigar a obra descubro que ela se encaixa nos nossos propósitos. A ideia do fotógrafo peruano era um sentido romântico de transcendência. A imagem mostra a fotógrafa norte americana Linda Connor, confrontada com esse imenso deserto. E transcendência é o que precisamos na virada de um novo ano. Essa data, que sempre nos faz pensar em novos objetivos, nos renova esperanças, nos faz refletir, em forma de listas de afazeres, sobre o que precisamos colocar em prática para atravessar o deserto do ano que passou. Já existe um caminho trilhado que nos trouxe até aqui, como vemos na imagem, e para seguir em frente estamos sozinhos, temos obstáculos a transpor, montanhas. A ideia de um novo ano sempre traz em si e em nós uma ideia de mudança, renovação. É só a continuação do caminho, mas cabe a cada um fazer dele novo. Se não mudar a estrada, pode mudar o jeito de caminhar. Mesmo que o paradeiro não seja definido, que os objetivos não sejam todos conquistados em 12 meses, o importante é seguir em frente e não deixar que a imensa paisagem nos apequene. [Fernanda Souza]

Desejamos um ótimo 2013 aos nossos leitores, sempre com poesia e arte para dar mais cor e sentimento aos nossos dias. Voltaremos em janeiro! Boas festas!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: